Pesquisar
Pesquisar

Etiqueta: Missão

Setembro 12, 2018

A equipa da Sintricare reuniu-se neste início de ano letivo com o objetivo de que todos os profissionais que connosco trabalham integrem as valências de cada um e que possam:

– Promover a colaboração entre todos
– Divulgar a sua área de intervenção
– Estimular a sinergia mútua
– Difundir a coesão

Um encontro que, com certeza, nos ajudará a cumprir com a nossa missão, trabalhando na promoção do bem-estar a todos os níveis, que se rege por um serviço de qualidade em que cada um é olhado e cuidado como um ser único e especial!

Este é um princípio transversal a todas as nossas valências, que são as consultas de psicologia e psicoterapia, a sala de apoio psicopedagógico, a academia sénior, as várias atividades artísticas e do desporto, a preparação para o parto, entre outras…

É o caso da Sintri Party, um serviço pensado para criar eventos, festas ou aniversários únicos, especiais e personalizados, que conseguiu abrilhantar a reunião da nossa equipa, onde tivemos o privilégio de disfrutar do bom gosto e dos saborosos pitéus preparados por esta recente vertente da Sintricare.

O produto final desta equipa será sempre maior que a soma de cada um individualmente! Que se repercuta em todos aqueles que nos procuram!

Temos um projeto singular porque acreditamos na singularidade de cada um!

Desejamos a todos um bom início de ano letivo!

Cristina Santos

Julho 18, 2018

Imensidão, azul, plenitude, totalidade… tudo isto sentia a Alma, que no meio das suas iguais, se distinguia…

Mais leve, mais bela, mais pura, esperava pacientemente, que mais uma vez, a mandassem baixar à Terra.

Qual seria a próxima missão? Quando partia a Alma ía cansada, e carregava grandes e pesados fardos consigo… mas, logo que alcançava o topo, uma leveza e uma paz se apoderavam dela, tudo se desvanecia e a Alma encontrava outra vez o seu lugar, lá em cima, no alto da montanha.

Até lá chegar, os caminhos eram longos e duros, por vezes íngremes ou planos, verdejantes em mil tons de verde ou cinzentos e negros.

Eram claros e limpidos, tais cursos de água movendo-se rapidamente em cascatas, ou escuros, lentos e parados como pântanos lodosos.

Sucediam-se os tempos e a Alma assim vagueava por entre prazeres e dores, alegrias e tristezas, clareza e obscuridade, sabendo sempre que o topo da montanha a esperava.

Sabia também, que algures, num tempo que não conhecia, iria finalmente ascender ao infinito pleno onde poderia permanecer fazendo parte do Universo imenso.

Leonor Braga

Posted in Blog, Histórias | Tags: , , ,