Pesquisar
Pesquisar

28/03/2019

1. Menos é mais!
Simplificar. Torna-a a tua palavra de ordem, nos pensamentos, nas tuas ações, mas também nas emoções. Quando estamos habituados a ter os mesmos pensamentos é difícil larga-los, pois é tudo muito automático. Então, quando começa o novelo da complicação na tua cabeça, torna-te no/a realizador/a do teu filme e diz corta! Transforma as frases feitas e velhas crenças e decide simplificar. Leva esse mote para as tuas ações: o que é que é demais? E como pode a emoção acompanhar tudo isto e ajudar-te a arrumar a tua casa interna?

2. Um aqui e agora suficientezinho
Estar no aqui e agora é fundamental. No entanto e como em tudo, é preciso conta, peso e medida. O que faz sentido para mim é trabalhar na possibilidade de estar aqui e agora, mas sem renegar o passado, e mantendo abertura e planos para o futuro. O passado existe, embora não o possamos mudar. Ainda assim podemos mudar a forma como olhamos para ele, desde aqui, do presente. Então, não renegues o que te aconteceu até aqui, trabalha com isso. E estar no agora sem olhar para o futuro pode ser tão errado como estar sempre na ansiedade do que aí vem. É importante fazer planos, ter objetivos!

3. Respira…!
Claro que respiras, senão não estarias a ler isto neste momento… Mas será que respiras plena e profundamente? A respiração superficial pode ser uma defesa para não entrares em contacto com as tuas emoções. Num percurso de autoconhecimento e de desenvolvimento pessoal, é importante fazer essa reconexão com o corpo através da respiração. E a respiração é também uma ferramenta para lidar com a impulsividade. Uma inspiração profunda dá-te tempo e espaço para poderes reagir de forma diferente. Experimenta!

4. Entregar e confiar
Este é um mantra desafiante. É difícil confiar na vida quando somos muito rígidos, controladores ou por colecionarmos uma série de más experiências. A vida “disse-te”: não confies, conta só contigo, movimenta-te no que é confortável para ti. E ao longo do tempo, acreditas nisso e crias essa realidade. Mas é possível criar uma realidade diferente, passo a passo. E começa por entregar e confiar que a vida te vai dar o que tu precisas (mas não aquilo que queres…). E isto não é ter a expetativa que algo vai mudar, é criares dentro de ti a base para que ocorram pequenos novos movimentos de abertura que permitam receber algo novo! E com novas experiências, seguras, talvez seja possível dares esse passo (que internamente queres dar há tanto tempo…!).

5. Autocompaixão
A autocompaixão é uma palavra e um conceito que me faz muito sentido. Para mim engloba a autoestima, amor próprio, autoimagem… E é diretamente afetada pela autoexigência e autocrítica. Vejo-a como uma balança: se pende para a crítica e exigência, então não há lugar para a autocompaixão. Se estás bem contigo, cuidas de ti interna e externamente, então há uma sensação de bem-estar contigo, de serenidade. Cultivar a autocompaixão é cultivar a relação contigo. Semear o autocuidado, proteger contra a chuva da autocrítica, as pragas da exigência e adubar com muita nutrição.

6. Autorresponsabilidade
Tomar as rédeas da tua história exige que sejas responsável pela tua vida. Se colocares a responsabilidade da tua história em algo externo a ti ou em alguém, estás a despojar-te do teu poder e estás a despedir-te da função de agir sobre a tua vida. Não te despeças e faz um contrato efetivo e sem termo: a vida é tua! Sim, existem coisas que não controlamos, mas não é sobre isso que te falo aqui. A todo o momento tomas decisões, decide então ser a/o CEO da tua vida. Cuida de ti e transforma-te, sem a expetativa de que o outro mude e sem o responsabilizares por aquilo que é o teu trabalho.

7. Decide não decidir
Pode perecer um pouco louca, mas é uma frase que ajuda, num determinado momento, não só a não tomares decisões de impulso, como em dares tempo ao processo de tomada de decisão. Claro que decidirás, mas por um instante, aquieta a tua mente e decide não decidir, por um momento que seja. E deixa-te usufruir da possibilidade de não “teres de”. Respira, inclui leveza e decide mais à frente (mas sem protelar).

Ana Caeiro, Psicoterapeuta Corporal em Biossíntese.

06/04/2016

5 Ingredientes para uma criança feliz

Não é preciso muito para fazer uma criança feliz: o Dr. Mário Cordeiro fala-nos em 5 ingredientes muito especiais. Se gostarem, estão à vontade para partilhar. :)Podem visitar http://pumpkin.pt/familia/o-melhor-da-vida-em-familia/as-16-inspiracoes-para-criancas-e-familias-felizes para descobrir o nosso mini-guia para crianças e famílias felizes, onde encontram este e outros artigos.

Publicado por Pumpkin.pt em Quarta, 6 de abril de 2016

“Não é preciso muito para fazer uma criança feliz: o Dr. Mário Cordeiro fala-nos em 5 ingredientes muito especiais. Se gostarem, estão à vontade para partilhar. :)”

Malcare WordPress Security