Pesquisar
Pesquisar

O que é que te prende?

Outubro 25, 2018
O que é que te prende?

Existem momentos na vida em que nos sentimos presos. Presos a pensamentos, emoções, relações, hábitos, memórias, história, crenças… O que te prende, a ti? O que te amarra e te impede de fluir na vida?

Conhecermo-nos melhor e identificar onde nos dói é fundamental num processo de evolução pessoal. Mas não só é difícil como é doloroso. Olhar para dentro de nós é o caminho natural quando queremos estar de bem com a vida e numa boa relação connosco. A grande questão é que, quando o fazemos, encontramos o bom e o mau. Visitamos as qualidades, encontramos os dilemas e tropeçamos nos traumas. Olhamos os antepassados, os que se cruzaram e deixaram marca na nossa vida, as aventuras positivas e os esqueletos no armário. Cheira a mofo e cheira a flores. Cheira à liberdade da infância e ao jugo das prisões mentais, as nossas e as dos outros.

Então, como soltar amarras? Vamos estabelecer algumas bases:

  • É importante perceber que somos todos diferentes. Se o vizinho do lado tem problemas com a mãe, não significa que nós temos. E mesmo que tenhamos ambos problemas com a mãe, serão certamente diferentes, porque somos diferentes, temos histórias diferentes e encontraremos recursos e ferramentas diferentes para lidar com esse desafio.
  • Então, quem somos? Podemos levar a vida toda nesta questão, mas trabalhar na nossa história, memórias, família… É fundamental. E é a base do trabalho de desenvolvimento pessoal. Como podemos nos desenvolver se não sabemos quem somos?
  • Para trabalharmos sobre algo, temos de identificar o que queremos trabalhar. Neste caso, o que é que nos prende? Quais são as amarras que queremos libertar? Poderão ser várias coisas, em diferentes graus. Então, o que quero trabalhar agora? Para o que é que é possível olhar agora? Mergulhar em tudo ao mesmo tempo pode ser um grave erro! Quando é demais, é fácil sentirmo-nos inundados e é mais difícil de nos mantermos à tona…
  • Por fim, o que é que nos pode ajudar? A par do melhor conhecimento sobre mim mesmo, o que é que eu tenho a nível de ferramentas, qualidades ou capacidades, que me possam ajudar em determinada situação ou a desatar determinado nó?
  • Dispam-se de expetativas: não coloquem prazos, não exijam demasiado, nem de vocês, nem dos outros.
  • Menos é mais: às vezes simplificar é o caminho mais difícil, por mais estranho que pareça, mas é claramente uma via que transmite mais clareza e que nos permite ver com calma os caminhos que podemos percorrer.

Simples? Não. É difícil. É duro. Não é por acaso que se diz que a ignorância é uma bênção: iniciar o processo de desenvolvimento pessoal não tem volta a dar, não dá para voltar para trás. E tem tanto de doloroso, como de mágico. Vamos então escolher acreditar neste processo mágico, e desatar nós!